Morar Sozinho – Estudo Revela 4 Grupos Distintos

Anúncio

Morar Sozinho – Estudo Revela 4 Grupos Distintos

Morar Sozinho – Estudo Revela 4 Grupos Distintos


Domicílios com um só morador estão se tornando um traço cada vez mais dominante na sociedade britânica, em uma virada que obriga as empresas a revisarem suas mensagens de marketing. O número subiu em 1 milhão, para 7,1 milhões em 2011, ante o recenseamento anterior, de 2001. Isso equivale a 30% dos domicílios na Inglaterra e País de Gales, e faz das residências com um morador a maior categoria entre os domicílios.

Experian Marketing – Análise detalhada das pessoas que vivem sozinhas no Reino Unido

O maior grupo entre as pessoas que vivem sozinhas é caracterizado como “solteiros em ascensão”. São jovens que estão subindo na vida e em geral vivem em apartamentos ou pequenas casas alugadas, com concentração em Londres. Muitos trabalham em ramos como publicidade, mídia, tecnologia da informação e setor farmacêutico, e seu supermercado preferido é o Tesco. Embora lhes sejam atribuídas posições simpáticas à ecologia, é menos provável que as coloquem em prática, em relação a outros grupos. Esse grupo é especialmente interessante para os anunciantes porque dele fazem parte as pessoas de sucesso do futuro. “A questão é determinar se você vai construir relacionamento com elas desde já, porque quando chegarem aos 40 e 50 anos, serão sua audiência alvo”.

O mais próspero grupo é o dos “solteiros repentinos”, muitos dos quais profissionais bem pagos e divorciados no começo da casa dos 40 anos, com indicadores fortes em termos de propriedade de veículos, uso frequente da internet para gerenciar suas finanças e preferência quase três vezes superior à do restante da população por fazer compras na rede Waitrose.

Outro grupo, o dos “solteiros batalhadores”, é formado em geral por pessoas dos 18 aos 25 anos, com renda anual de 10 mil libras (R$ 32,3 mil) ou menos. A possibilidade de que estejam desempregados é 60% mais alta que a média nacional, não costumam ter carros e uma maioria esmagadora deles é de homens.

O último grupo (cujos números vêm crescendo rápido) é o de pessoas mais velhas que moram sozinhas, muitas das quais fazem compras frequentemente e usam o varejo local, favorecendo a rede Marks and Spencer e lojas de conveniência.

Nosso Comentário

Podemos considerar este estudo como uma referencia para o mercado brasileiro. O aumento do número de pessoas que vivem sozinhas nas grandes cidades, por opção ou contingência, não é uma tendência exclusiva do Reino Unido. Algumas das principais razões para este fenômeno são: o divórcio, a maior longevidade da população, o adiamento da decisão de casar entre os jovens e, o crescimento das uniões informais (morar em casas separadas).

Para ler a matéria completa: Folha de S.Paulo – Marketing se adapta à vida dos sozinhos

Artigo Taggeado com